História geológica do estado de Santa Catarina

Texto produzido para o Processo de Formação Continuada e Multiplicadora do Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social.

 

Autores: Luciano Henning, Fabio Miranda, Gilso Giombelli, Tamirys Taborda, Ezequiel Giaretta e Aline Justino

Redação final: Luciano Henning, Fabio Miranda e Gilso Giombelli

 

 

Há mais 270 milhões de anos, a África, América do Sul, Índia, Austrália e Antártica estavam juntas, formando o Continente de Gondwana.

 

Untitled1

Figura 1: Blocos constituintes do continente de Gondwana, com setas indicando os principais movimentos relativos  (Modificado de “Enciclopédia: A Aventura da Vida, 1997”).

 

Uma  grande depressão na porção sudoeste do Gondwana foi aos poucos sendo preenchida por sedimentos (areia, sílte e argila de rios e geleiras, depois marinhos, passando de novo a continentais – praias, flúvio-deltáticos, até desérticos), em camadas que recobrem o embasamento cristalino e que constituem hoje o conjunto das rochas sedimentares gondwânicas da Bacia Geológica do Paraná (SCHEIBE et al. 2010).

Untitled2

Figura 2: Bacia do Paraná. (“Ma” significa milhões de anos)

http://www.plantasdeaquario.com/geologiaregional.htm

Para o Estado de Santa Catarina dois momentos podem ser destacados neste processo (SCHEIBE et al. 2010):

No período Permiano (entre 270 e 230 Ma), o desenvolvimento de densas florestas que, cobertas pelas águas e submetidas à ação de bactérias anaeróbicas, à pressão e ao aumento de temperatura pelo soterramento, vieram a constituir as camadas de carvão da Formação Rio Bonito, que ocorrem em superfície na chamada Região Carbonífera do Sul de Santa Catarina;

Nos períodos Triássico e Jurássico (entre 230 e 130 Ma), a formação de um imenso deserto, conhecido no Brasil como Deserto de Botucatu, originando um pacote de arenitos porosos e permeáveis, com 100 a 200m de espessura: o atualmente famoso Aquífero Guarani.

 

E as terras se movem

Segundo a teoria da Tectônica de Placas, há cerca de 180 milhões de anos teve início o processo de fragmentação do Gondwana, conhecido como Deriva Continental. À medida que os continentes se afastavam, (à velocidade de alguns centímetros por ano), o magma basáltico proveniente do manto da terra ia formando o fundo dos novos oceanos – como o Oceano Atlântico, que até então não existia (SCHEIBE et al. 2010).

Untitled3

Figura 3: Esquema evolutivo de fragmentação de uma massa  continental e formação de crosta oceânica.   (modificado de Tassinari, 2000)

 Untitled4

 Figura 4: Aspecto atual do fundo do oceano Atlântico conforme Carte du fond des oceans, Le Pichon, s/d.

 

Esse mesmo tipo de magma penetrava pelas antigas fraturas da crosta continental, reativadas pelos movimentos tectônicos, espalhando-se então em camadas sucessivas sobre as areias do deserto, e formando um pacote com espessura de centenas de metros de rochas vulcânicas básicas, intermediárias e ácidas que constituem a Formação Serra Geral e que sustentam os Campos de Cima da Serra (SCHEIBE et al. 2010).

Untitled5

Figura 5: Bloco diagrama representando os diversos derrames basálticos  (Sistema Aquífero Serra Geral, tipo fraturado ) sobre a formação Botucatu (Sistema Aquífero Guarani, tipo poroso).

Untitled6

Figura 6: Mapa geológico de Santa Catarina (SC).

 

No mapa Geológico de SC podemos classificar a litologia  através de 4 faixas, norte sul:

Primeira faixa: em amarelo, começando pelo litoral, rochas sedimentares, sedimentos de rio e marinho (rochas mais recentes);

Segunda faixa: em vermelho, rochas do embasamento cristalino (rochas mais antigas);

Terceira faixa: em cinza e marrom, são as rochas sedimentares Gondwânicas;

Quarta faixa: em verde, todo o Oeste do Estado, coberto pelas rochas basálticas da formação Serra Geral (aquífero fraturado).

 

 

Surgimento da Cordilheira dos Andes

             O processo de separação coincidiu com a formação da Cordilheira dos Andes, no lado oeste da América do Sul, provocando um basculamento do continente e o soerguimento de toda a margem Atlântica: de Joinville para o norte, formou-se então a Serra do Mar, e daí para o sul, as íngremes encostas conhecidas como a Serra Geral, especialmente majestosas na Região Sul de SC (SCHEIBE et al. 2010).

Untitled7

Figura 7:Imagem da encosta da Serra Geral, após as grandes enxurradas do natal de 1995 (foto Pellerin, fev./1996).

 

Na Era Terciária (25 milhões de anos), começa o soerguimento da Cordilheira dos Andes. A elevação desta cadeia de montanhas a oeste do continente americano ocasionou a formação do anfiteatro onde passam a correr rios que constituem a maior bacia hidrográfica do mundo, a Bacia Amazônica, responsável por 1/6 de toda a água doce do planeta. Este soerguimento alterou, inclusive, toda a circulação atmosférica até então dominante (deserto de Botucatu no sul do Brasil) (PORTO-GONÇALVES, 1989).

Com esta mudança da circulação atmosférica a umidade proveniente da floresta Amazônia encontra-se com a cordilheira dos Andes fazendo que a umidade consiga chegar até o sul da Argentina e principalmente na Bacia do Prata, formando o chamado “Rios Voadores”. Isso explica por que no sul do Brasil não é um deserto.

Untitled8

   Figura 9: Interligação entre a Bacia Amazônica, Bacia do Prata e Sistema Integrado Guarani/Serra Geral.

 Untitled9

 Figura 10: Principais desertos estão localizados nos trópicos, com exceção da Bacia do Prata.

 Untitled10

 

 

 

Referências:

 

Documentário: agua_vida:

https://www.youtube.com/watch?v=xg4AskwW0HY

 

Laboratório de Analise Ambiental (LAAm)

http://laam.ufsc.br/

 

LEFF, Enrique. Et al. Manifesto pela Vida: Por uma Ética para a Sustentabilidade. 2002.

http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/manifestovida.pdf

 

Palestra do Professor Ademir Reis na abertura da Campanha da Fraternidade (ALESC)

https://drive.google.com/file/d/0B8NzC75TrtDXS1ZwbGRxT0JVZE0/view

 

Projeto Rede Guarani/Serra Geral

http://www.rgsg.org.br/

 

PORTO-GONÇALVES, Carlo Walter. Amazônia: ecologia, demografia e soberania contribuição para uma reflexão crítica. GEOSUL, n. 9 – 8 – Ano IV – 29 semestre de 1989.

https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/view/12715/11884

 

 

SCHEIBE, Luiz Fernando. Sustentabilidade e as dinâmicas da natureza e do meio ambiente. Apresentação na Disciplina: Análise da Qualidade Ambiental do Programa de Pós Graduação em Geografia – UFSC. 2011.

http://laam.ufsc.br/files/2011/05/sustentabilidade-e-as-Dinamicas.pdfhttp://laam.ufsc.br/

 

SCHEIBE, Luiz Fernando. BUSS, Maria Dolores. FURTADO, Sandra Maria de Arruda. Atlas Ambiental da Bacia do Rio Araranguá. Florianópolis: UFSC. Ed. Cidade Futura. 2010. 64p.

 

SOUZA, Marcelo Lopes de. O Desafio Metropolitano: um Estudo Sobre a Problemática Socio-espacial.  Editora: Bertrand Brasil. 2000.

 

Parceiros
005cpt 002cais1 logo_cersa_web 008IRlogo_blue_white_hires-1024x310 012mmc logo_ibase_web 014mst 004cpp 011meb 006fase 013MPA 003CIMI Titulo 004cnbb 008IRlogo_blue_white_hires1-1024x310 001ASA 009jubileu-logo-final-vertical-832x1024 parceiros2 010logo_koinonia+actaliança1-1024x549 007fian 002caritas_brasileira
001ASA 002caritas_brasileira 003CIMI 004cnbb 005cpt 006fase 007fian 008IRlogo_blue_white_hires-1024x310 009jubileu-logo-final-vertical-832x1024 010logo_koinonia+actaliança1-1024x549 002cais1 011meb 012mmc 013MPA 014mst 004cpp 008IRlogo_blue_white_hires1-1024x310 Titulo parceiros2 logo_ibase_web logo_cersa_web
002caritas_brasileira parceiros2 006fase 008IRlogo_blue_white_hires-1024x310 001ASA Titulo logo_cersa_web 009jubileu-logo-final-vertical-832x1024 013MPA 007fian 011meb 008IRlogo_blue_white_hires1-1024x310 004cpp 003CIMI logo_ibase_web 010logo_koinonia+actaliança1-1024x549 014mst 012mmc 002cais1 004cnbb 005cpt

Copyrigth © 2012. Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social
Endereço:SGAN 905 - Conjunto B - Sala 03 - CEP: 70790-050 Brasília-DF
Tel:+55(61) 3447 8722
email: fclimaticas@gmail.com
Skype:fclimaticas

desenvolvido por:Sydtec Designer Exilado